EXCLUSIVO : Namorado de Edna diz que foi ameaçado



Jeremias de Souza Cavalcante, namorado da jovem Edna Ambrósio, 22 anos, morta a tiros fuzil, disparados por policiais militares na última sexta-feira, contou com riqueza de detalhes à reportagem de ac24horas, o que aconteceu realmente no dia da morte de sua namorada durante uma blitz.

ac24horas - De onde você e Edna vinham na sua moto e como foi a abordagem dos PMs durante a blitz ?
Jeremias - Eu voltava de um lanche com Edna na minha moto, quando me deparei com a blitz. Fiquei com medo porque eu estava apenas de sandália e temia ser multado. Daí segui em frente fazendo de conta que não tinha ouvido eles mandarem eu parar e segui tranquilamente?

ac24horas - E quando foi que você percebeu que Edna havia sido baleada?
Jeremias - Eles começaram a atirar. Deram vários tiros. Foi quando eu percebi um pequeno impacto no meu corpo, mas eu não imaginava que fosse bala não. Daí eu percebi que o corpo da minha namorada ficou totalmente relaxado sobre o meu corpo e vi ela arrastando os pés no chão. Parei a moto e percebi que ela havia sido atingida.

ac24horas - E como foi que os policiais chegaram até vocês O que eles disseram no momento em que viram que você havia parado a moto?
Jeremias - Eu acredito que quando eles perceberam a besteira que haviam feito. Matando uma inocente. Começaram a me esculhambar e diziam a todo momento que eu ia para a penal pois eu tinha matado minha namorada.

ac24horas - Eles chegaram a socorrer Edna? O que os policiais fizeram?
Jeremias - Eu acredito que eles estavam mais preocupados em jogara culpa sobre mim. Eu penso agora que eles como tem experiência sabem o poder de fogo de uma arma daquelas, com certeza já sabiam que ela não tinha mais nenhuma chance. Eles queriam mesmo era livrar a cara deles.

ac24hras - Como livrar a cara deles?
Jeremias - Eles disseram que eu teria de depor a favor deles. Dizer que eu furei a barreira e ia seguindo numa roda só na minha motocicleta. Queriam que eu assinasse o boletim de ocorrência, dizendo que eu estava em alta velocidade e ameaçava a vida das pessoas na rua. Eu nunca nem tentei na minha vida andar só numa roda e sempre ando com muita atenção.

ac24horas - De que forma os policiais ameaçaram você?
Jeremias - Eles gritavam comigo todo tempo. Diziam que eu era único responsável e se Edna morresse eu já estava condenado.

ac24horas - O que você espera agora?
Jeremias - Eu espero que a justiça seja feita. Eu perdi minha namorada. Nós estávamos juntos havia oito meses. Pensávamos em casa um dia. Eu estou com medo.

ac24horas - Medo de que? Morrer?
Jeremias - Claro. Como podemos nos sentir seguros se os bandidos agora andam fardados?

A nossa reportagem fez essa entrevista com Jeremias na tarde deste sábado, 27, momentos depois do enterro da jovem Edna Ambrósio, no Cemitério Morada da Paz.



Texto e foto de Salomão Matos, da redação ac24horas
Rio Branco, Acre
Postar um comentário
Tecnologia do Blogger.