Plácido de Castro entra na era do futebol globalizado



A chegada da empresa Honsoy Sport à pequena cidade amazônica de Plácido de Castro – localizada a uma hora de carro da capital Rio Branco (AC) - é mais uma evidência que não existe fronteira no futebol globalizado.
Com sede no Uruguai e filiais no Brasil, na Colômbia, Argentina, Suécia e Noruega, a Honsoy Sport chegou ao Plácido de Castro FC com o discurso de levar o clube ao inédito título acreano. E a parceria não está para brincadeira e contratou uma comissão-técnica totalmente importada, formada por três gaúchos e um carioca. Os investidores ainda trouxeram para o Tigre do Abunã quatro reforços do futebol uruguaio. O meia Oscar Sebastian é a estrela da companhia. O jogador é dono de habilidade invejável e já teve passagem por grandes clubes do futebol platino: Nacional-URU e Peñarol-URU. “Ele será nosso Tevez, não tenho dúvida disso”, comentava empolgado, à beira do gramado, o presidente Josué Carvalho.
Com uma política diferente da maioria dos clubes acreanos, o grupo de jogadores trabalha em dois períodos. Boa parte deles chegam ao local dos treinos – campo do Exército Brasileiro, como milhares de trabalhadores do país: em cima de uma bicicleta. A simplicidade do clube começa com iniciativa do presidente Josué ao levar nos ombros um galão de água para refrescar os jogadores durante os treinos intercalados.
Pela primeira vez trabalhando no futebol acreano, o técnico carioca Leonardo Neto, de 36 anos, diz que a função que irá desempenhar no Plácido de Castro será igual à desempenhada por ele durante sua passagem pelo futebol do Haiti [campeão com o ASC], República Dominicana, Argentina, Noruega e Uruguai, assim como nas categorias de base do Flamengo (RJ). “Chego ao Plácido de Castro com intuito de conquistar bons resultados, onde o objetivo principal não deixa de ser o título de campeão acreano”, revelou à reportagem de O Rio Branco, o treinador da equipe placidiana.
Sem aceitar comparações com grandes treinadores brasileiros, Leonardo Neto diz que a filosofia de seu trabalho está focada no estudo, disciplina e seriedade. O treinador aproveita para avisar que não existe jogador com cadeira cativa no clube e irá jogar quem mostrar melhor futebol, seja Oscar Sebastian ou Gustavo Gimez, por exemplo.
A comissão-técnica do Tigre ainda é composta por três profissionais do Rio Grande do Sul: o preparador de goleiros Ocrésio Morim, preparador físico Juliano Okubo e o assistente técnico Daniel Leme.
Quanto à torcida placidiana, o treinador revelou se houver cobrança por parte dela por resultados, não será diferente dos demais clubes, pois torcedor é igual em qualquer lugar do mundo.
Em relação ao futebol local, o técnico placidiano elogiou a organização, assim como o desempenho do Estrelão na disputa da última Série C. O único ponto ainda que o treinador deixou claro que poderia melhorar são os investimentos.
Pré-temporada forte
Nestes primeiros dias de pré-temporada, o preparador físico da equipe, o gaúcho Juliano Okubo, de 32 anos, diz que o grupo de jogadores precisará de mais duas semanas de trabalho físico para começar a trabalhar tecnicamente e taticamente. O profissional ressaltou que os testes físicos realizados durante os primeiros dias de movimentação no clube demonstraram que o grupo está no nível bom.
Fonte: Noticias da Hora
Postar um comentário
Tecnologia do Blogger.